Santuário Arquidiocesano

Ermida da Padroeira de Minas - Basílica da Piedade

08h

15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h

Basílica Estadual das Romarias

Domingo
09h30
11h
16h30

Artigo de dom walmor

Você está em:

Junho Verde: Convite

Ainda no horizonte luminoso do mês de maio, reluz o anúncio de um importante convite: a celebração do “Junho Verde” que deve envolver a sociedade brasileira, interpelada a refletir sobre o que os seres humanos fazem com o planeta. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) muito se dedicou, junto às instâncias governamentais competentes, para alterar a Lei 9.795, de 27 de abril de 1999, que dispõe sobre a Política Nacional de Educação Ambiental, para instituir a Campanha Junho Verde. A iniciativa foi instituída com a Lei 14.393, de 27 de maio de 2022. Uma campanha anual que convoque a sociedade a investir mais em educação ambiental, alinhando-se aos parâmetros e propostas da ecologia integral, bem definida pelo Papa Francisco na Carta Encíclica Laudato Si’ e na Exortação Apostólica Laudate Deum.

É urgente avançar sempre mais nos propósitos do “Junho Verde”, para continuamente aperfeiçoar o entendimento da população sobre a essencialidade de se conservar ecossistemas naturais, protegendo todos os seres vivos. Um compromisso que exige o controle da poluição e da degradação dos recursos naturais. Viver os princípios da ecologia integral é seguir uma diretriz que precisa estar inscrita na alma dos cidadãos, ocupando a interioridade de cada um. Assim é possível reagir à degradação do planeta, com a adoção de um novo estilo de vida, mais sustentável. O atual modelo de relação que o ser humano estabelece com a Casa Comum está esgotando o meio ambiente. As consequências são as sucessivas tragédias e catástrofes, em diferentes lugares.

A campanha Junho Verde é tarefa do poder público em parceria com escolas, universidades, empresas públicas e privadas, igrejas, comércio, entidades da sociedade civil, comunidades tradicionais e populações indígenas. Há um amplo conjunto de possibilidades, quando se pensa nas muitas oportunidades oferecidas pela temática ambiental. Por isso, não se pode correr o risco de deixar passar o mês de junho sem atitudes e comprometimentos capazes alimentar nova compreensão e atitudes no tratamento da casa comum. Todos devem se convencer, cada vez mais, de que tudo está interligado, e perdas terríveis ocorrem quando essa realidade é tratada com negligência ou desrespeito.

No atual contexto de devastação ambiental, conta toda contribuição no sentido de reverter a deterioração em curso. Assim, cada providência que inspire uma reação diante da crise socioambiental é significativa. A sociedade jamais pode considerar-se suficientemente dedicada à ecologia integral. Ao contrário, deve reconhecer sua responsabilidade nos eventos climáticos catastróficos, com irreparáveis perdas, especialmente de vidas humanas. Há muito a ser feito para salvaguardar florestas e outros biomas brasileiros, que constituem uma riqueza singular, mas continuam ameaçados.

A civilização é chamada a aprender que tudo na casa comum tem relevância. Esse aprendizado poderia se efetivar, por exemplo, a partir de iniciativas que eduquem sobre o uso e conservação dos espaços públicos, a serviço do bem de todos, como as praças e os parques. Os espaços públicos têm potencial, ainda inexplorado, para a realização de ações voltadas à educação ambiental. Essas ações precisam contemplar investimentos para inspirar a adoção de novos padrões ligados ao consumo. O ser humano deve aprender a não desperdiçar, a não agir com soberba diante dos bens da natureza. É preciso se compadecer com os que não têm o essencial para viver dignamente.

Dentro dos propósitos do “Junho Verde”, surge a oportunidade de conhecer mais sobre a biodiversidade brasileira, alcançando um encantamento que gera a nobreza de posturas cidadãs adequadas. Encantar-se com a biodiversidade nacional permite superar mentalidades extrativistas perversas e mesquinhas, regidas apenas pelos parâmetros frios do lucro e de mercados. Uma atitude simples e bela, que pode ser intensificada neste mês, é o plantio de espécies vegetais nativas em áreas urbanas ou rurais. Um gesto capaz de ensinar às crianças e aos jovens, pela força da exemplaridade, sobre a importância de tratar a natureza com respeito.

No horizonte educativo, é preciso buscar estratégias para que a população saiba mais sobre a legislação ambiental brasileira, capacitando os cidadãos para que possam contribuir também no aperfeiçoamento e, até, nas correções, desse conjunto de leis. Esse horizonte educativo auxilia na superação das permissividades e manipulações que buscam favorecer grupos depredadores do meio ambiente. A legislação ambiental brasileira precisa avançar muito para contribuir efetivamente com o desenvolvimento integral.  Esses avanços dependem de maior amadurecimento cidadão em temas técnicos de grande relevância, a exemplo do debate sobre transição ecológica das cadeias produtivas, economia de baixo carbono e carbono neutro. Outra frente de trabalho igualmente importante que precisa ganhar mais visibilidade no contexto do “Junho Verde” é a busca pela preservação da cultura dos povos tradicionais e indígenas que habitam e protegem biomas brasileiros.

As mudanças climáticas devem inspirar um grande pacto para promover a preservação do planeta. Espera-se mais dos poderes legislativos a promoção de debates sobre os impactos dessas mudanças nas cidades e no ambiente rural, para fazer florescer uma sensibilidade que inspire práticas de conservação da natureza. A sociedade brasileira está convidada e convocada a promover a Campanha Junho Verde, semeando os princípios da ecologia integral, nas suas variadas e ricas dimensões – social, cultural, humana e espiritual – para avançar rumo a um novo tempo. O que está acontecendo com a casa comum, com o meio ambiente? Deixar-se inquietar por essa pergunta é o primeiro passo no caminho de superação da atual crise socioambiental.

 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte