Santuário Arquidiocesano

Ermida da Padroeira de Minas - Basílica da Piedade

08h

15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h

Basílica Estadual das Romarias

Domingo
09h30
11h
16h30

Artigo de dom walmor

Você está em:

Lançar o olhar e caminhar

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) concluiu a sua exitosa 61ª Assembleia Geral Ordinária, celebrada no Santuário Nacional Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil. Um evento de fé, que fortalece a espiritualidade da comunhão e o compromisso missionário. No encontro, a participação relevante de 310 bispos que estão na condução de dioceses, sendo seus primeiros servidores, 160 bispos eméritos, linha de frente no testemunho e na profecia, e uma multidão de fiéis entrelaçada pelo olhar fixo no Senhor da história – Jesus Cristo Crucificado-Ressuscitado. A Assembleia Geral é oportunidade para refletir sobre a realidade interna da Igreja Católica no Brasil, efetivando sempre mais a sua relevante atuação no conjunto da sociedade brasileira, em comunhão com a ação missionária da Igreja em todo o mundo, sob a liderança do Papa Francisco. Sublinhe-se a importância do acompanhamento e adequada informação sobre a Assembleia Geral da CNBB, caminho para contribuir com projetos e programas muito importantes, particularmente para os pobres e sofredores, alcançando ainda uma compreensão capaz de desmontar opiniões equivocadas, ataques indevidos e injustos.

Durante dez dias, a Assembleia desenvolveu uma pauta extensa e diversificada, demandando muitas jornadas de trabalho, sempre emolduradas e iluminadas pela oração de toda a comunidade reunida. As preces entram em sintonia com as orações de toda a Igreja, também a partir das facilidades tecnológicas oferecidas pelo campo da comunicação. Assim, alcança-se grande força espiritual. Os trabalhos na Assembleia envolvem apresentação de relatórios, debates com importantes intervenções, experiência sinodal de comunhão e participação, votações e discernimentos, em muitos encontros. Uma dinâmica que favorece a consolidação de laços de amizade e de mútua cooperação, firmando os passos da Igreja na sua missão. Na Assembleia Geral da CNBB, verifica-se ainda uma grande riqueza intercultural e social, especialmente a partir do compartilhamento de experiências missionárias diversificadas, considerando o Brasil com as suas dimensões continentais. Conhecer sempre mais sobre as muitas experiências missionárias contribui para revelar e fortalecer a capilaridade da Igreja Católica, com tantas frentes missionárias e de serviços, exercendo a sua nobre missão de anunciar o Reino de Deus.

Nas dinâmicas da Assembleia Geral da CNBB são refletidas as riquezas, os desafios e as fragilidades na missão evangelizadora, ressaltando a grandeza do Povo de Deus – tantos evangelizadores engajam-se no anúncio do Evangelho, garantindo a presença viva da Igreja na realidade de muitas pessoas. O reconhecimento e a gratidão aos evangelizadores estão expressos em especial Mensagem aos Católicos publicada pela Assembleia. A mensagem tem força de convocação para que aumente sempre mais o número daqueles que se colocam na “linha de frente” de trabalhos missionários, na rede de comunidades da Igreja, Brasil afora. O trabalho de missionários e missionárias é uma ação incontestável do Espírito Santo de Deus, força amorosa de inspiração e de sustento das comunidades de fé. A ação missionária é serviço que se desdobra em profético cuidado com os pobres e vulneráveis, inspirando adequado exercício da cidadania, essencial para superar descompassos gritantes da sociedade brasileira.

Ao considerar a realidade do Brasil, os bispos também dirigem mensagem ao Povo Brasileiro, corajosamente denunciando as agruras da realidade social, com tantas situações que penalizam, perversamente, os pobres e indefesos. Com assertividade, a mensagem publicada na Assembleia Geral aponta as pertinentes preocupações com a paz no mundo, alertando sobre as guerras que nascem e se alimentam de autoritarismos, interesses econômicos mesquinhos e da lógica perversa do mercado. O texto faz ainda menção ao armamentismo, promovido por cegos interesses financeiros.  Acolher o que dizem os bispos pode contribuir para que todos os cidadãos cultivem parâmetros ético-morais capazes de inspirar uma reação diante dos graves problemas enfrentados pelo Brasil e pelo mundo.  Essa reação deve ocorrer, principalmente, a partir do exercício da compaixão, que permite reconhecer as urgências e os direitos dos deserdados da sociedade.

Nos parâmetros da compaixão, a Igreja Católica, em cooperação com outras instituições, investe no horizonte de uma ecologia integral, inspirada em São Francisco de Assis. A vida de São Francisco, as suas atitudes, permanecem atuais, constituindo uma escola que prepara o ser humano para adequadamente viver a fé e a cidadania. E a Igreja Católica, quando realiza a Assembleia Geral da CNBB, busca contribuir para oferecer respostas aos desafios deste tempo, enquanto, ao mesmo tempo, cuida do precioso dom da fé, desenvolvendo metodologias, programas e projetos, para que a espiritualidade cristã católica, celebrada cotidianamente, ajude a alavancar a vida plena – compromisso de todos os cidadãos que estão a caminho do Reino definitivo.

A densa pauta da Assembleia Geral, já refletindo sobre as novas Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, fortalece a ação missionária, inspirando um sentimento de gratidão e entusiasmo diante de tantos trabalhos e pessoas que se dedicam ao anúncio do Evangelho. A Igreja Católica sempre está desafiada a contribuir com adequadas respostas para os problemas que nascem no caminho da humanidade. Um desafio que convoca todas as pessoas a se unirem à Assembleia Geral da CNBB para partilhar um compromisso: corajosa e profeticamente, lançar o olhar sobre o mundo e a vida da Igreja, e caminhar na direção de soluções para os graves desafios da sociedade.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte