Santuário Arquidiocesano

Ermida da Padroeira de Minas - Basílica da Piedade

08h

15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h

Basílica Estadual das Romarias

Domingo
09h30
11h
16h30

Artigo de dom walmor

Você está em:

Uma preocupação coletiva

O Papa Francisco, no horizonte sempre interpelante de sua Carta Encíclica Laudato Si’, ilumina a Campanha Junho Verde com um urgente pedido: todos unidos partilhando uma preocupação. Essa preocupação diz respeito ao meio ambiente, demandando a atenção dos mais variados segmentos da sociedade. O mundo precisa acolher advertências pertinentes, vindas de papas, confissões religiosas diversas, cientistas, filósofos, teólogos, também de organizações sociais: é preciso dedicar mais atenção ao que o ser humano vem fazendo com o planeta – a casa comum – e promover mudanças essenciais para interromper a exploração predatória dos recursos naturais. Ainda há um longo caminho de conscientização a ser trilhado, o que pode ser constatado pelas poucas repercussões e atitudes inspiradas nos nobres propósitos da Campanha Junho Verde. Muitos obstáculos impedem a adequada vivência da Campanha, a exemplo da equivocada compreensão de que a temática ambiental é simplesmente pauta político-partidária ou impostação ideológica. Um grave engano. O cuidado com a Criação de Deus é urgente compromisso cidadão. As aceleradas mudanças vividas no planeta, que adoecem a humanidade, mostram que todos precisam se unir para preservar a casa comum.

É preciso se sensibilizar pelas raízes éticas e espirituais dos desafios ambientais, convencendo-se de que as soluções não estão simplesmente nos avanços técnicos. A superação desses desafios exige mudanças muitos profundas no comportamento humano, que precisa alinhar-se a um estilo de vida orientado por parâmetros mais saudáveis e sustentáveis. Os prejuízos ecológicos são consequência da ação humana. Apontam para a necessidade de serem adotadas novas lógicas na regência de hábitos e atitudes. Nessa perspectiva, deve-se superar o consumo exagerado para se adotar uma vida mais austera, caminho para que o desperdício seja substituído por gestos de partilha. Nesse horizonte, os cristãos são desafiados a oferecer a sua contribuição, exercendo o que se aprende na fé: o mundo deve ser considerado expressão divina da comunhão, devendo ser regido pela dinâmica da partilha.

O mundo não é propriedade de alguns, mas ambiente onde deve prevalecer a convivência harmônica entre todos os seres vivos, pela lógica de uma ecologia integral. Essa lógica é mais importante que os princípios de um modelo equivocado de desenvolvimento que fundamenta práticas irracionais – voltadas somente para o lucro, de modo inconsequente, desconsiderando que a vida de cada ser humano deve ser priorizada. Desconsiderar a primazia da vida compromete, tragicamente, a fraternidade universal, consolidando vergonhosos cenários de exclusão social, com a perversa insensibilidade diante do sofrimento dos pobres. Para haver harmonia entre todos os seres vivos, é oportuno inspirar-se na inteligência de São Francisco de Assis. A natureza, conforme entendia São Francisco, é um livro esplêndido a ser lido com ternura e vigor. Essa lucidez franciscana deve inspirar, especialmente, o tratamento dedicado às mudanças climáticas, com suas constantes catástrofes, contemplando também medidas urgentes para diminuir diferentes formas de poluição que ameaçam a vida.

O clima, assevera o Papa Francisco, é um bem comum, de todos e para todos, guardando um sistema complexo que diz respeito a muitas e determinantes condições para a vida humana. É preciso considerar e compreender, cientificamente e pelas experiências cotidianas, que se vive um preocupante aquecimento do planeta. Não se pode ser indiferente a essa realidade, ou ingenuamente pensar que esse fenômeno impacta somente outras partes do mundo, sem incidências na própria vida. Todos podem amargar prejuízos terríveis e irreversíveis.  Por isso, há um chamamento urgente para a adoção de novos estilos de vida, produção e consumo, para reagir ao aquecimento global. Mas, mesmo diante de um cenário tão ameaçador, constata-se que persiste um apego ao atual modelo de relação com o planeta. Aposta-se em um tipo de busca pelo bem-estar que fundamenta atitudes mesquinhas, velozmente comprometendo o equilíbrio na natureza.

O modelo atual de desenvolvimento precisa ser confrontado, mas a humanidade se coloca refém da força sedutora do lucro e do dinheiro. É preciso reconhecer que as mudanças climáticas têm graves consequências ambientais, sociais, econômicas, distributivas e políticas, conforme sublinha o Papa Francisco, advertindo que a conta mais pesada será sempre paga pelos mais pobres. Esse reconhecimento constitui um desafio e, diante dele, não se pode fazer “vista grossa”. Lamentavelmente, constata-se ainda uma grande indiferença em relação a muitas tragédias provocadas pelas mudanças climáticas. Outras inspiram reações até fortes, mas pouco duradouras, incapazes de gerar profundas mudanças no modo como a humanidade lida com o planeta. Frequentemente, a predatória relação do ser humano com o planeta é mascarada, seus sintomas são ocultados, conforme os interesses daqueles que detêm mais recursos e poder, desejosos de perpetuar o próprio enriquecimento, mesmo que isso signifique sacrificar a casa comum.

A sociedade, por seus representantes nas instâncias do poder, espera, urgentemente, o desenvolvimento de políticas públicas e legislações capazes de qualificar o tratamento dedicado ao meio ambiente. Os avanços tecnológicos têm também um importante papel no equilíbrio ambiental. Ainda mais indispensável é tornar a defesa do planeta, do seu equilíbrio, uma preocupação coletiva. Promover uma sensibilização generalizada, a partir do compartilhamento de informações, de uma adequada formação nos parâmetros da ecologia integral, para inspirar a adoção de novos hábitos, mais sustentáveis, constitui passo decisivo para abrir novos caminhos, possibilitando modos de viver que alimentem a harmonia na casa comum. Conta, é verdade, a vontade político-cidadã, que precisa estar alicerçada em nobres valores e princípios espirituais. Valores e princípios que permitam reconhecer: o cuidado com o meio ambiente deve ser preocupação comum a todos, para que cada um busque viver com mais sobriedade, guiando-se pelo sentido nobre e solidário da partilha.

 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte