Santuário Arquidiocesano

Ermida da Padroeira de Minas - Basílica da Piedade

08h

15h
17h
15h
09h
15h
15h
09h
15h
15h
11h
15h

Basílica Estadual das Romarias

Domingo
09h30
11h
Você está em:

[Artigo] Missão – Anúncio do Evangelho como força de vida – Neuza Silveira de Souza, Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de BH

A missão abraçada pelos leigos tem transformado muitas realidades. Mudança que se percebe no jeito de catequizar, de fazer ecoar a Palavra de Deus na vida das pessoas, das portas que vão se abrindo para que o leigo, ou seja, todo aquele que é batizado, atue na sua comunidade, na sua casa junto à família. Diante dessa pandemia, adultos, jovens, adolescentes e as crianças da catequese, impossibilitadas de irem presencialmente aos encontros, foram aprendendo um modo diferente de participar, em casa, tanto do jeito de fazer catequese, quanto do jeito de realizar estudos escolares, a pedido dos professores. Fatos esses ocorridos que não podem ser esquecidos. Tempo que contribuiu para um aprendizado diferente, mas válido para uma convivência melhor junto à família; aprenderam e ensinaram a rezar e a viver melhor para Deus.

Aprendemos que a fé não caminha em linha reta. Ela participa no desenvolvimento da pessoa e, assim, influencia o caminho da fé. Isto acontece porque cada fase da vida de cada pessoa está exposta a desafios específicos e deve enfrentar as dinâmicas sempre novas da vocação cristã.

Nesse sentido, a catequese deve oferecer caminhos diferenciados para as diferentes realidades e de acordo com as diferentes exigências, idades das pessoas e estados de vida. Torna-se importante, ao desenvolver a pedagogia, no processo catequético, atribuir a cada etapa a sua devida importância e especificidade.

Diante da realidade atual é fundamental para nós, cristãos, unirmos forças para redescobrir a potencialidade do Evangelho e do cristianismo. Precisamos propor o Evangelho como força de vida, a interioridade como caminho para Deus, além da indispensável via do amor que liberta e promove vidas.

Percebe-se aqui a necessidade de assumir, de verdade, o anúncio querigmático, ou seja, o anúncio da Boa Nova de Jesus Cristo. No horizonte do cristianismo, o querigma se identifica com o Evangelho, Boa Notícia, mensagem de salvação. Assim podemos dizer que Cristo não veio trazer uma norma ética de vida ou uma grande ideia, mas veio trazer para nós uma mensagem de salvação: proclamar o Reino de Deus.

Jesus começou esse anúncio do Reino dizendo: “Arrependei-vos porque está próximo o Reino dos Céus” (Mt 4,17). Também dizia: “O Evangelho deve ser proclamado a todas as nações” (Mc 13,10). O anúncio da Boa Nova, o Evangelho, tornou-se o conteúdo necessário e essencial da missão evangelizadora confiada por Jesus a seus discípulos: ‘“Ide pelo mundo inteiro e proclamai o Evangelho a toda criatura’ […] e os discípulos foram anunciar por toda parte. O Senhor cooperava, confirmando a palavra pelos sinais que a acompanhavam” (Mc 15,15.20).

A presença da Igreja no trabalho missionário inclui o fazer-se caminho para a dignidade da pessoa e promoção humana. A Igreja tem, ainda, como parte da missão a defesa da justiça, da integridade, da criação. Onde o povo estiver, a Igreja tem que se fazer presente.  Sua presença ajuda o povo a amadurecer, crescer e assumir seu protagonismo local para que possa formar comunidades fiéis ao evangelho.

Durante um longo período na história, a Igreja investia suas maiores e melhores forças na preparação de crianças e sempre em vista da recepção dos sacramentos, seja da eucaristia, seja da crisma, e, isso, com um cunho meramente doutrinal. Hoje, impõe-se um novo modo de fazer catequese, que leve em conta a colaboração e a participação efetiva dos pais. É urgente uma catequese que envolva toda a família.

O Diretório para a catequese nos orienta para uma catequese familiar e que possa atingir primeiramente os pais, uma catequese adulta, familiar. É um longo caminho para as catequistas que tem a tarefa urgente, a ser desenvolvida com carinho e dedicação que é a formação para o fazer catequético da Igreja. A catequese familiar precede, acompanha e enriquece todas as outras formas de catequese (DGC, n. 226; CT, n. 68). Com a catequese familiar, a família vai se tornando um itinerário de fé de vida cristã para seus filhos e para a comunidade na qual pertence.

Nesse sentido, para a Igreja Católica, o anúncio querigmático tornou-se um desafio, o que requer anunciadores e evangelizadores convertidos e bem-preparados. Destaca-se aqui no anúncio querigmático, a conversão e a dinâmica do mistério da Páscoa e da esperança pascal, porque seguir Jesus significa viver em vida pascal. Portanto, situa-se aqui a necessidade de uma liturgia também renovada por ser ela lugar privilegiado da comunhão da Palavra, da comunhão eclesial, da comunhão eucarística e do envio missionário. A liturgia precisa chegar ao coração e à emoção, ao gesto e ao corpo, à Palavra e ao “Verbo” para cumprir sua finalidade de ajudar a todos a fazer a experiência de Deus.

O Diretório para a catequese nos fala da família como uma comunidade de amor e vida e nos seus números 224 a 235 nos oferece orientações para a catequese e família ressaltando a importância de uma catequese que deve acontecer, na família, com a família e da família. A Igreja, em seus cuidados maternos, acompanha seus filhos e filhas ao longo de sua existência, desejando construir com eles um itinerário de fé permanente e manter sempre viva a vida da comunidade Igreja. Essa tarefa é dos e das catequistas que devem prestar atenção às famílias, envolvendo-as, cada vez mais, no compromisso catequético e na construção comunitária.

Neuza Silveira de Souza.

Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de Belo Horizonte.

 

 

VEJA TAMBÉM